O que é câncer?

Câncer é o conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado de células que invadem tecidos e órgãos, podendo se espalhar para outras regiões do corpo. Dividindo-se rapidamente, estas células tendem a ser muito agressivas, determinando a formação de tumores (acúmulo de células cancerosas), também chamados de neoplasias malignas. Há também o tumor benigno, formado simplesmente por uma massa localizada de células que se multiplicam vagarosamente e se assemelham ao seu tecido original, raramente constituindo um risco para a vida.

Os diferentes tipos de câncer correspondem aos vários tipos de células do corpo. Por exemplo: existem diversos tipos de câncer de pele porque esse órgão é formado por mais de um tipo de célula. Se o câncer tem início em tecidos epiteliais, como pele ou mucosas, ele é denominado carcinoma. Se começa em tecidos conjuntivos, como osso, músculo ou cartilagem, é chamado de sarcoma.

Outras características que diferenciam os diversos tipos de câncer são a velocidade de multiplicação das células e a capacidade de invadir tecidos e órgãos vizinhos ou distantes.

O que causa o câncer?

As causas de câncer são variadas, podendo ser externas ou internas ao organismo, ambas inter-relacionadas.

As causas externas dizem respeito ao meio e aos hábitos ou costumes próprios de um ambiente social e cultural. As causas internas são, na maioria das vezes, geneticamente predeterminadas e estão ligadas à capacidade do organismo de se defender das agressões externas. Esses fatores causais podem interagir de várias formas, aumentando a probabilidade de transformações malignas nas células normais.

80% a 90% dos cânceres estão associados a fatores ambientais. Alguns deles são bem conhecidos: o cigarro pode causar câncer de pulmão, a exposição excessiva ao sol pode causar câncer de pele, e alguns vírus podem causar leucemia. Outros estão em estudo, como alguns componentes de alimentos que ingerimos, e muitos são ainda completamente desconhecidos.

Fatores de risco ambientais

Os fatores de risco ambientais de câncer, denominados cancerígenos ou carcinógenos, alteram a estrutura genética (DNA) das células. O envelhecimento, por exemplo, traz mudanças nelas, o que aumenta a sua suscetibilidade a uma transformação maligna. Além do fato de as células das pessoas idosas terem sido expostas por mais tempo aos diferentes fatores de risco para câncer. Isso explica, em parte, o porquê de a doença ser mais frequente entre os indivíduos da terceira idade.

O surgimento de um tumor depende da intensidade e duração da exposição das células aos agentes causadores de câncer. O risco de uma pessoa desenvolver câncer de pulmão, por exemplo, é diretamente proporcional ao número de cigarros fumados por dia e ao número de anos que ela vem fumando.

A maioria dos casos de câncer está relacionada ao meio ambiente, onde encontramos um grande número de fatores de risco. Entende-se por ambiente o meio em geral (água, terra e ar), o ambiente ocupacional (indústrias químicas e afins), o ambiente de consumo (alimentos, medicamentos) e o ambiente social e cultural (estilo e hábitos de vida). As mudanças provocadas em qualquer um desses meios pode determinar diferentes tipos de câncer.

Conheça os fatores de risco ambientais mais comuns:

  • Tabagismo
  • Hábitos Alimentares
  • Alcoolismo
  • Hábitos Sexuais
  • Medicamentos
  • Fatores Ocupacionais
  • Radiação Solar

Hereditariedade

São raros os casos de cânceres que se devem exclusivamente a fatores hereditários, familiares e étnicos, apesar de o fator genético exercer um importante papel no surgimento das células cancerosas. Um exemplo são os indivíduos portadores de retinoblastoma que, em 10% dos casos, apresentam história familiar deste tumor.

Alguns tipos de câncer de mama, estômago e intestino parecem ter um forte componente familiar, embora não se possa afastar a hipótese de exposição dos membros da família a uma causa comum. Determinados grupos étnicos parecem estar protegidos de certos tipos de câncer: a leucemia linfocítica é rara em orientais e o sarcoma de Ewing é muito raro em negros.

O câncer tem cura?

Sim. Embora o diagnóstico do câncer possa gerar grande angústia ao paciente, em muitos casos ele pode ser curado. Existem tratamentos eficientes para a grande maioria dos tumores. O câncer, quando diagnosticado inicialmente, tem um alto índice de sucesso através de suas terapias. Em tumores de característica maligna, a cura depende muito do estágio em que o câncer se encontra no momento do diagnóstico. O termo “remissão” é utilizado para designar uma fase muito próxima do que se pode chamar de cura, em que não há sinais de atividade da doença, proporcionando mais qualidade de vida ao paciente.

Quanto mais cedo o câncer for detectado, maior a chance de sucesso do tratamento.