Troca de Ideias Voltar

Asco 2018 – Oncologista da São Carlos destaca os principais pontos de discussão


A reunião anual da Sociedade Americana de Oncologia Clínica (Asco 2018), maior evento internacional da área, reuniu cerca de 30 mil oncologistas e profissionais de saúde envolvidos no cuidado do câncer em Chicago, entre os dias 1 e 5 de junho. A médica Patricia Canelha Ribeiro Alves, oncologista da equipe São Carlos, participou do Congresso, que reúne trabalhos científicos relevantes para o avanço no tratamento do câncer.

“Esses estudos clínicos aumentam a sobrevida, o tempo livre de progressão do câncer (sem doença) e melhoram a qualidade de vida dos pacientes. Por isso é tão importante acompanharmos essas atualizações anualmente na Asco” – explica Patrícia.

De acordo com a oncologista, um dos destaques foi o trabalho que abordou a importância da vacinação contra o HPV (vírus do papiloma humano), que está associado a alguns tipos de câncer como colo de útero, pênis e canal anal. Com foco na prevenção, a medida pretende reduzir a incidência do câncer no futuro. No Brasil, o Ministério da Saúde já disponibiliza a vacina no SUS para meninas entre 9 e 14 anos e meninos entre 11 e 14 anos. Veja mais informações sobre a vacinação aqui.

“Houve uma ampla discussão na Asco sobre o tratamento do câncer de mama, com vários estudos científicos evidenciando qual o melhor tratamento e sua duração. Esses estudos, com base em análise genética, selecionam com maior segurança quais pacientes necessitam de quimioterapia e hormonoterapia, para que possamos oferecer o tratamento adequado para cada caso. Os testes genéticos avaliam o perfil molecular de um tumor de mama e vem se tornando uma realidade em todo o mundo. No Brasil, porém, ainda enfrentamos dificuldades em função do seu alto custo” comenta Patrícia, que abaixo destaca os principais pontos abordados durante os cinco dias da Asco:

 IMUNOTERAPIA

O avanço da imunoterapia foi um tema bastante discutido e vem ganhando cada vez mais espaço, na medida em que vem sendo indicado como tratamento para diversos tipos de tumores. Segundo os estudos apresentados, os resultados obtidos têm sido excelentes. A imunoterapia promove a ativação do sistema imunológico no combate às células do câncer.

BIOMARCADORES        

A evidência da existência de biomarcadores como parâmetros biológicos auxiliam no conhecimento mais aprofundado do câncer de cada paciente, individualizando o tratamento pela caracterização biológica dos tumores e realizando medicina de precisão. Segundo Patrícia, a evolução desta modalidade de tratamento tem crescido de maneira surpreendente.

BIOPSIA LÍQUIDA

A biópsia líquida é uma nova tecnologia que analisa fragmentos do DNA tumoral circulantes no sangue, um novo conceito na terapia personalizada, o que proporciona um tratamento mais preciso. De acordo com as discussões realizadas na Asco, a biópsia líquida ainda não substitui a biópsia convencional no diagnóstico, mas possibilita acompanhar as modificações que as células sofrerão ao longo do tratamento, permitindo um ajuste fino na quimioterapia e, vislumbrando um campo promissor em um futuro próximo.

CUIDADOS AO PACIENTE

O cuidado com o paciente também esteve em evidência na Asco, ressaltando a importância de alinhar as prioridades do médico com a de seus pacientes. É preciso estar atento aos desejos e dificuldade de quem está passando pelo desafio do tratamento oncólogico. Uma comunicação efetiva é primordial para vencer esse desafio e obter sucesso no tratamento.