Troca de Ideias Voltar

Câncer de colo de útero – você já ouviu falar?


O mês de janeiro, além de ser lembrado por causa do verão e altas temperaturas é também conhecido pela campanha contra o câncer de colo de útero. Você sabia que este é o 3º tipo que mais acomete mulheres no Brasil?

O que é o câncer de colo de útero?

Também chamado de câncer cervical, o câncer de colo de útero pode ser causado pela infecção de alguns tipos do Papiloma Vírus Humano (HPV).

O câncer de colo de útero representa o terceiro tipo mais comum entre as mulheres no Brasil e, de acordo com a Dra. Patrícia Canelha, médica oncologista da São Carlos Saúde Oncológica, a maior incidência deste tipo de tumor ocorre em pessoas jovens, entre 25 anos e 45 anos de idade.

Segundo o Instituto Nacional do Câncer (INCA), só em 2018 o câncer de colo de útero somou mais de 8% dos casos totais do tumor em pessoas do sexo feminino no país, atrás apenas do câncer de mama e colorretal.

Vale ressaltar que o HPV pode, também, ser transmitido para o homem, ocasionando o câncer de pênis.

O que é o HPV?

Os HPVs formam um grupo com mais de 100 vírus relacionados, que têm capacidade de infectar pele ou mucosas. De acordo com o Ministério da Saúde, dentre eles, 40 podem infectar a região genital e provocar câncer, como o de colo de útero, vulva, vagina, pênis, ânus e orofaringe.

Sintomas

Nas fases iniciais, o câncer de colo de útero não apresenta sintomas, porém, quando surgem, aparecem em forma de sangramento vaginal, principalmente após a relação sexual, no intervalo entre as menstruações, após a menopausa, ou como corrimento vaginal de coloração escura e com mau cheiro.

Nos estágios avançados os sintomas costumam ser mais visíveis e intensos:

  • Hemorragias;
  • Perda de peso e apetite;
  • Massa palpável no colo do útero;
  • Obstrução das vias urinárias e intestino;

Como se prevenir?

As lesões que precedem o câncer de colo de útero não apresentam sintomas. Desta forma, o recomendado é ao menos uma vez ao ano ser realizado o exame preventivo (Papanicolau), que faz o diagnóstico prematuro da doença, detectando a presença de alterações celulares que podem ser ocasionadas pela infecção por HPV ou a existência de lesões pré-malignas.

No entanto, para a prevenção assertiva, é importante ter precaução, ou seja, fazer uso do preservativo durante a relação sexual, inclusive no sexo oral, já que o HPV é também transmitido por mucosas – por exemplo, através de uma ferida aberta, herpes, é possível a contaminação.

É importante lembrar que outros fatores podem ser também os responsáveis pelo desenvolvimento do câncer de colo de útero, como o tabagismo, estando o tumor diretamente correlacionado ao número de cigarros fumados, e ao uso prolongado do anticoncepcional – por isso a importância de uma visita periódica ao ginecologista.

Tratamento

O tratamento para o câncer de colo de útero será indicado após uma avaliação e orientação médica, que entenderá qual é o estágio do câncer, se a mulher deseja ter filhos, entre outros fatores pessoais. No entanto, eles podem variar entre a cirurgia, quimioterapia e radioterapia.

Vacinação contra o HPV

menina sendo vacinada contra HPV - afim de avitar o câncer de colo de úteroMeninas com idade de 9 a 14 anos e meninos entre 11 e 14 podem tomar a vacina tetravalente contra o HPV, que é disponibilizada gratuitamente pelo Ministério da Saúde. Essa vacina protege contra os subtipos 6, 11, 16 e 18 do HPV, sendo os dois primeiros responsáveis pelas verrugas genitais e os dois últimos por mais de 70% dos casos do câncer de colo de útero no mundo.Vale lembrar que é muito importante tomar as duas doses da vacina, sendo a segunda, 6 meses após a primeira.

Mas, claro, não para por aí. A partir dos 25 anos de idade ou após a primeira relação sexual, é recomendada a ida ao ginecologista para que seja feita uma consulta e também realizado o exame preventivo.

“A vacina do HPV é um grande passo para que no futuro os casos de câncer de colo de útero possam ser extintos. Por isso é importante a vacinação das crianças.”, afirma a Dra. Patrícia Canelha.