Troca de Ideias Voltar

Linfoma: como tratar e prevenir


O linfoma é uma doença hematológica, que afeta os linfócitos, células responsáveis por proteção do organismo contra doenças e infecções. Apesar de seu caráter maligno, o linfoma é altamente tratável, o que significa que, sendo diagnosticado cedo, as chances de sucesso no tratamento são grandes. E é por isso que neste 15 de setembro, Dia Mundial de Conscientização sobre o Linfoma, queremos reforçar este tema.

Sem ainda identificar a causa exata, sabe-se que as células responsáveis pela formação do linfoma se multiplicam rapidamente. Este tipo de câncer pode aparecer em qualquer parte do corpo, porém, mais especificamente em forma de nódulo nas regiões da axila, pescoço, virilha e baço.

Os linfomas podem ser classificados como menos agressivos e mais agressivos.

Linfoma menos agressivo

É maligno, porém indolente. Isto quer dizer que a sua aparição acontece mais devagar, demorando, então, mais tempo para se manifestar.

Segundo a Dra. Christiane Ribeiro Secco, hematologista da São Carlos Saúde Oncológica, é comum uma pessoa ficar com o sintoma durante meses e não perceber, uma vez que ele vai se manifestando vagarosamente.

“Um exemplo é uma íngua palpável na axila. Inicialmente a pessoa não liga para isso e deixa pra lá. Passam-se quatro meses e a íngua continua aumentando, em um ano está maior. Então só se vai buscar ajuda médica quando aquele sinal de fato está incomodando. Sendo assim, mesmo que o sintoma pareça pequeno, procure a orientação médica. Mesmo que seja devido à acusação de uma pequena anemia ou qualquer alteração no exame de sangue. Se perceber que o estado ao longo do tempo vai piorando, não hesite em buscar ajuda” – explica a Dra. Christiane Ribeiro Secco.

Linfoma mais agressivo

O linfoma mais agressivo aparece como uma massa ou alteração no corpo que aumenta de forma rápida e causa sintomas mais fortes:

  • Suor noturno;
  • Perda de peso;
  • Algo palpável crescendo muito rapidamente no corpo, principalmente nas áreas de pescoço e axila;
  • Incômodo no tórax de maneira a sentir muita falta de ar;
  • Inchaço no rosto

“Acordar no meio da noite encharcado de suor a ponto de precisar trocar de roupa ou com febres baixas, mas que causam incômodo com sudorese é um sinal de que há algo errado. Se esse episódio começar a durar mais de um mês, ligue o seu alerta e procure um médico. É importante buscar um especialista quando notar algo diferente, que você não costuma ver no dia a dia. O diagnóstico precoce é sempre melhor que tardio” – afirma Christiane.

 

sintoma do linfoma - mulher com febre segurando o termometro

Febres altas ou crônicas devem ser observadas de perto. Nestes casos, não deixe de procurar um médico!

O linfoma é uma doença genética?

O linfoma não é um câncer de caráter hereditário, ou seja, se algum membro de sua família, como pai, irmão, mãe, teve um linfoma, não necessariamente você também terá.

No entanto, sabe-se que há populações de risco que possuem maior predisposição a desenvolver um linfoma: pessoas diagnosticadas com HIV positivo ou que estejam fazendo uso de medicamentos imunossupressores, isto é, indivíduos com a imunidade muito baixa.

Como prevenir o linfoma?

De acordo com a Dra. Christiane Ribeiro Secco, ainda não se sabe o que causa especificamente esse tipo de câncer, porém, é de conhecimento que as pessoas que se exercitam e se alimentam de forma mais sadia tem uma menor probabilidade de apresentar linfomas, assim como outras muitas doenças malignas.

Tratamentos para o linfoma

De modo geral existem dois tipos de tratamentos para o linfoma: quimioterapia e radioterapia. A quimioterapia pode ser aplicada sozinha ou com a adição de medicamento com anticorpos específicos. Além disso, pode também haver o conjunto “quimioterapia + radioterapia”.

“Existe tratamento para o linfoma. Ele é considerado um câncer sensível à quimioterapia e que apresenta bons resultados, trazendo uma grande satisfação tanto para o paciente quanto para o médico.”–afirma Christiane.